Abrir empresa: Como montar uma empresa de organização de eventos em Saltinho

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender?De acordo com Zanella (2008) um evento pode se definido como “uma concentração ou reunião formal e solene de pessoas e/ou entidades realizado em data e local especial, com objetivo de celebrar acontecimentos importantes e significativos e estabelecer contatos de natureza comercial, cultural, social e etc.” Os eventos podem ter diversas classificações: eventos comerciais, culturais, sociais, esportivos, gastronômicos, técnicos, cívicos, folclóricos, religiosos, artísticos, políticos e etc. Esta Idéia de negócio fará menção à Empresa de Organização de Eventos Sociais. São classificados como eventos sociais: recepções, casamentos, formaturas, aniversários e passeios. Este documento não substitui o Plano de Negócios, que é imprescindível para iniciar um empreendimento com alta probabilidade de sucesso. Para a elaboração do Plano de Negócio, deve ser consultado o SEBRAE mais próximo.

Mercado

A última pesquisa sobre o mercado de eventos brasileiro foi realizada nos anos de 2001 e 2002. Foi um projeto realizado pelo Fórum Brasileiro dos Convention & Visitors Bureaux, em parceria com a empresa CTI – Consultoria Turística Integrada e o SEBRAE. A pesquisa contemplou todos os tipos de eventos. Os dados mostraram que a indústria de eventos movimenta R$ 37 bilhões por ano no país e gera 3 milhões de empregos diretos, terceirizados e indiretos. Os eventos sociais representam 18,6% dos eventos realizados ficando atrás somente daqueles caracterizados como “Reuniões”. O período com concentração maior de eventos é o segundo semestre do ano e os meses de menor demanda são janeiro e fevereiro. A região sudeste é responsável pelo maior número de eventos do país. Ameaças e oportunidades As oportunidades de negócios são definidas pelas possibilidades de bons resultados que o empreendedor vislumbra ao implantar um novo empreendimento. O conhecimento real das possibilidades de sucesso somente será possível através de pesquisa de mercado. Uma pesquisa não precisa ser sofisticada, dispendiosa – em termos financeiros – ou complexa. Ela pode ser elaborada de forma simplificada e aplicada pelo próprio empresário, para estudar a concorrência já instalada, o tipo de público predominante na região em termos de capacidade aquisitiva, os gostos pessoais, a cultura e as expectativas que as pessoas têm em relação a uma Empresa de Organização de Eventos. Também é importante pesquisar os preços praticados pelos concorrentes, o padrão de qualidade nos serviços das empresas existentes que possam se caracterizar como concorrentes. O risco de abrir as portas sem conhecimento do ambiente local é muito grande. Oportunidade: Todos os anos acontecem 700 mil enlaces no País, representanto portanto, um potencial de 700 mil festas. Crescimento do número de faculdades e consequentemente de formaturas em cursos de Graduação, que representa potencialmente um aumento no número de festas deste tipo. Além dos eventos acima, pode-se focar na também em preparação de eventos criativos para festas aniversários, batizados, noivado e qualquer tipo de reuniáo social. As ameaças são representadas por todas as possibilidades de insucesso que o futuro empresário pode identificar para o novo negócio. A realização da pesquisa sugerida fornece subsídios para a previsão de dificuldades que poderão aparecer pelo caminho. Ameaças: Excesso de concorrência; Falta de experiência do dono do negócio.

Localização

Para decidir sobre a localização do futuro empreendimento, é aconselhável a realização de pesquisas para levantar disponibilidade de imóveis na região que deseja se instalar, preços de aluguel praticados e qualidade dos imóveis disponíveis. Neste ramo costuma-se encontrar empresas funcionando legalmente na própria residência do empreendedor. Mas se esta for a opção é preciso ter um ambiente especifico para as atividades profissionais para que a rotina familiar no interfira na produtividade e vice-versa. Alguns detalhes devem ser observados na escolha do imóvel: • O imóvel atende às necessidades operacionais referentes à localização, capacidade de instalação do negócio, possibilidade de expansão, características da vizinhança e disponibilidade dos serviços de água, luz, esgoto, telefone e internet?• O ponto é de fácil acesso, possui estacionamento para veículos, local para carga e descarga de mercadorias e conta com serviços de transporte coletivo nas redondezas?• O local está sujeito a inundações ou próximo a zonas de risco?• O imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais?• A planta do imóvel está aprovada pela Prefeitura?• Houve alguma obra posterior, aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva?• As atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento ou o Plano Diretor do Município?• Os pagamentos do IPTU referente ao imóvel encontram-se em dia?• O que a legislação local determina sobre o licenciamento das placas de sinalização?

Exigências Legais e Específicas

Para dar início ao processo de abertura da empresa é necessário que se cumpra as seguintes etapas: 1) Consulta Comercial Antes de realizar qualquer procedimento para abertura de uma empresa primeiro é preciso realizar uma consulta prévia na prefeitura ou administração local. A consulta tem por objetivo verificar se no local escolhido para a abertura da empresa é permitido o funcionamento da atividade que se deseja empreender. Outro aspecto que precisa ser pesquisado é o endereço. Em algumas cidades, o endereço registrado na prefeitura é diferente do endereço que todos conhecem. Neste caso, é necessário o endereço correto, de acordo com o da prefeitura, para registrar o contrato social, sob pena de ter de refazê-lo. Órgão responsável: Prefeitura Municipal; Secretaria Municipal de Urbanismo. 2) Busca de nome e marca Verificar se existe alguma empresa registrada com o nome pretendido e a marca que será utilizada. Órgão responsável: Junta Comercial ou Cartório (no caso de Sociedade Simples) e Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). 3) Arquivamento do contrato social/Declaração de Empresa Individual. Esta etapa consiste no registro do contrato social e na verificação dos antecedentes dos sócios ou empresário junto a Receita Federal, através de pesquisas do CPF. Órgão responsável: Junta Comercial ou Cartório (no caso de Sociedade Simples). 4) Solicitação do CNPJ Órgão responsável: Receita Federal. 5) Solicitação da Inscrição Estadual Órgão responsável: Receita Estadual 6) Alvará de licença e Registro na Secretaria Municipal de Fazenda O Alvará de licença é o documento que fornece o consentimento para empresa desenvolver as atividades no local pretendido. As exigências específicas para obter o alvará de funcionamento serão informadas no ato do seu requerimento. Órgão responsável: Prefeitura Municipal; Secretaria Municipal da Fazenda. 7) Matrícula no INSS Órgão responsável: Instituto Nacional de Seguridade Social; Divisão de Matrículas.

Estrutura

Uma Empresa de Organização de Eventos pode ser bem estruturada em uma área de 20m². Um local bem ventilado e iluminado proporcionará maior conforto àqueles que trabalharão na empresa. A estrutura precisará de um banheiro uma pequena copa ou espaço para lanches rápidos e espaço para montar um pequeno escritório.

Pessoal

Para amenizar os custos iniciais com folha de pagamento, convém optar por uma equipe enxuta. É possível começar com uma equipe fixa de apenas duas pessoas, que serão responsáveis pela gestão dos projetos. Os demais profissionais que atuarão na execução do projeto de evento poderão ser terceirizados. Dentre os profissionais que o empresário poderá se relacionar estão elencados: Recepcionista; Garçom; Fotógrafo; Manobrista; Operador de luz e som; Segurança / Vigilante; Eletricista; Recreacionista; Músicos; Mestre de cerimônias; Auxiliar de limpeza. Os profissionais que farão a gestão do evento deverão ser capazes de: Planejar, coordenar e supervisionar as atividades relacionadas com evento; Elaborar e controlar a execução do orçamento financeiro e caixa; Estabelecer e acompanhar o cronograma de atividades; Promover reuniões técnicas para análise das atividades em andamento; Realizar cotação para contratação de serviços de terceiros; Coordenar as atividades de pessoal como: seleção e contratação de terceiros; orientar e repassar atribuições e responsabilidades; estabelecer normas, procedimentos e condutas e fiscalizar a aplicação. A capacitação de profissionais deste ramo de negócio deve estar direcionada para o desenvolvimento das características citadas acima. Como qualquer segmento, este é um setor de negócio que exige profissionalismo e atenção extrema a todos os detalhes. Independentemente da quantidade de funcionários, recomenda-se a adoção de uma política de retenção de pessoal, oferecendo incentivos e benefícios financeiros ou não. Assim, a empresa poderá diminuir os níveis de rotatividade e obter vantagens como a criação de vínculo entre funcionários e clientes e ainda a diminuição de custos com: recrutamento e seleção, treinamento de novos funcionários, custos com demissões.

Equipamentos

Para estruturar o escritório que abrigará a Empresa de Organização de Eventos serão necessários apenas equipamentos comuns a qualquer escritório. Segue abaixo a descrição quantitativa de equipamentos: 2 Computadores; 1 Impressora; 1 Aparelho de Tel/fax; 1 Aparelho de telefone; 2 Mesas; 6 Cadeiras. Este negócio exige um veículo para locomoção da equipe organizadora. No início das atividades do negócio, para diminuir os custos com investimento, o empresário poderá usar o próprio veículo. Caso não possua veículo próprio, bancos e financeiras oferecem financiamentos exclusivos com taxas diferenciadas de financiamento para pessoa jurídica. É importante a realização de uma pesquisa para se informar sobre as melhores taxas praticadas no mercado e também verificar o custo/benefício de aquisição de um veículo “zero” ou semi-novo. Recomenda-se ao empreendedor a análise da necessidade de contratação de seguros contra sinistros tais como incêndios, acidentes, etc. com os equipamentos e pessoas ou furtos. A fase de execução de um evento demanda uma grande variedade de equipamentos. Alguns locais próprios para eventos já dispõem de alguns dos equipamentos necessários, entretanto quando for necessário algum item que o local não ofereça, existe a possibilidade de alugar. Os equipamentos mais utilizados em eventos sociais são: Amplificador e mesa de som; Televisores de plasma ou LCD; Computador ou notebook; Cabos e extensões; Projetor multimídia; Telões; Rádios comunicadores. A locação de equipamentos pode apresentar algumas vantagens: Disponibilidade de equipamentos mais modernos; Substituição, em caso de defeito do equipamento; Assistência técnica, manuseio e transporte inclusos na locação; Instalação e ajustes inclusos na locação; Operadores próprios das empresas locadoras.

Matéria Prima/Mercadoria

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.Os serviços oferecidos por uma Empresa de Organização de Eventos podem ser: Organização de eventos como: jantares, churrascos, chá de bebê, batizados, aniversários, festa infantil, festas de empresas, etc. Organização de noivado e comemorações pré-casamento como: chá bar, chá de cozinha e/ou chá de lingerie, despedidas, jantares, etc. Organização, orientação e acompanhamento de casamento civil e religioso. Confirmação de presença dos convidados – RSVP – ativo e passivo. Assessoria na parte gráfica antes e depois do evento (convites, cartões de agradecimento, mapas, cartões pessoais, etc). Alguns materiais de apoio poderão ser necessários na hora da concretização do evento: Papel Lápis Caneta Tesoura Agenda Barbante Fita Crepe Material de limpeza e etc.

Organização do Processo Produtivo

Levantamento da expectativa do cliente ? Orçamento e oferta de serviços ? Fechamento do contrato ? Planejamento do evento ? Realização do evento ? Pós Evento Levantamento dos objetivos do evento Esta etapa consiste em levantar junto ao cliente informações sobre o evento: O que será o evento? Qual público será aguardado? Quais os resultados esperados? Orçamento e oferta de serviços. Nesta etapa deverão ser apresentadas várias alternativas e preços, desde o local do evento ao Buffet, para estudo e avaliação do cliente. Fechamento do contrato Após a definição dos detalhes do evento, formaliza-se condições e compromissos acertados em um contrato de prestação de serviços. Planejamento do evento O planejamento é a parte mais importante da concepção de um evento. Alguns aspectos devem ser considerados no planejamento de eventos: Clareza de objetivos e dimensionamento do evento. Previsão de recursos humanos, físicos e materiais, contemplando quantidade, valor hora ou unitário e valor total. Elaboração de um plano de ação com as respectivas atividades, responsáveis e prazos de execução. Identificação dos possíveis problemas para implantação de medidas preventivas. Elaboração de um cronograma de atividades para o dia do evento. Realização do evento Todos os itens devem ser verificados com antecedência pela equipe organizadora. O acompanhamento do evento deve ser feito pela equipe organizadora com o cronograma de atividades em mãos. Todos os eventuais problemas devem ser registrados. Pós Evento Baseado no acompanhamento do evento será feita uma avaliação para verificar se os objetivos estabelecidos foram alcançados. A avaliação do evento é o principal instrumento para subsidiar a implantação de melhorias.

Automação

Na gestão de eventos Para facilitar o trabalho de gestão, o empreendedor poderá instalar em seu computador um software de gestão, que pode ser comprado ou alugado de empresas especializadas. A aquisição de um software, além de facilitar a gestão dos recursos financeiros, fornecerá ao empreendedor informações que subsidiarão suas decisões. Dentre outros pode-se destacar os seguintes benefícios oferecidos pelos softwares de gestão: Definição ampla das informações do evento: nome, data, local, formulário, formas de pagamento, entre outras. Formulário do evento totalmente configurável, com opção de perguntas abertas e questões de simples e múltipla escolha. Possibilidade de informar ao sistema várias opções de pagamento. Geração em PDF de lista de convidados; Relatórios configuráveis em PDF, com opção de filtros por nome, data e status do convidado; Gerenciamento de terceiros; Gráficos e estatísticas atualizados do evento; Opção para exportar os dados dos participantes em Excel e – CSV. Acompanhamento do orçamento do evento. Empresários com melhor percepção de oportunidade já se movimentam para o uso de tecnologias que possibilitem aprimorar e acelerar o processo de prestação de serviços e relacionamento com clientes, visando reduzir o tempo de atendimento e gerar diferencial qualitativo. Alguns fornecedores de softwares de gestão: Tangu E-mail: http://tangu.com.br/index.html Site: http://tangu.com.br/index.html Benner Solutions Rua Maestro Cardim, 407 – Paraíso São Paulo – SP Tel.: (11) 2109.8500 Já existem softwares que auxiliam o empresário a organizar a estrutura física do evento e que também funcionam como ferramenta de vendas, pois permitem que o cliente tenha uma “prévia” do que está comprando. Fornecedor: Partycad Hufnagel software E-mail: hank@hufsoft.com Site: http://www.hufsoft.com/

Canais de Distribuição

O Canal de vendas é direto. O contato entre cliente e empresa é estabelecido sem a presença de intermediários como por exemplo, representantes comerciais. É muito comum a parceria com fornecedores e profissionais tercerizados que indicam a Empresa de Organização de Eventos.

Investimento

Várias decisões irão impactar no montante do investimento necessário para abertura de uma Empresa de Organização de Eventos, dentre elas: Localização: o valor para alugar ou comprar um imóvel irá variar de acordo com a região escolhida para abertura do negócio. Tipo de imóvel: optar por alugar ou comprar um imóvel; Qualidade do imóvel: condições físicas do imóvel, necessidade de reforma, tamanho da reforma. Os resultados das decisões referentes a estes itens surgirão com a elaboração do plano de negócios. Etapa fundamental para quem deseja empreender de forma consciente, “o plano de negócios é a validação da idéia, análise de sua viabilidade como negócio” (DOLABELA, 1999, p.17). Considerando uma Empresa de Organização de Eventos instalada numa área de 20m² é necessário um investimento inicial estimado em aproximadamente em R$ 54.868,00 (cinquenta e quatro mil e oitocentos e sessenta e oito reais), a ser alocado majoritariamente nos seguintes itens: Reforma do local: R$ 2.000,00 Equipamentos e Mobiliário: R$ 4.430,00 Recursos para despesas iniciais R$ 24.940,00 Capital de giro: R$ 4.988,00 As informações aqui prestadas são referências a partir de um exemplo. Os valores acima irão variar conforme a região geográfica que a Empresa de Organização de Eventos irá se instalar, necessidade de reforma do imóvel, tipo de mobiliário e etc.

Capital de Giro

Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa.
O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC).
Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa.
Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão-de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa.
Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.
Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão. O desafio da gestão do capital de giro deve-se, principalmente, à ocorrência dos fatores a seguir: Baixo volume de contratos; Aumento dos índices de inadimplência. O empreendedor deverá ter um controle orçamentário rígido de forma a não consumir recursos sem previsão. É importante que o novo empresário reserve entre 10% e 20% do investimento inicial para capital de giro, pois se isso não ocorrer, a empresa poderá muito cedo adquirir dívidas e dificuldades financeira.

Custos

São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente no preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria- prima e insumos consumidos no processo de produção. O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de pizzas indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que, encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Os custos para uma abrir uma Empresa de Organização de Eventos devem ser estimados considerando os itens abaixo: 1. Salários, e encargos; 2. Tributos, impostos, contribuições e taxas; 3. Aluguel, taxa de condomínio, segurança; 4. Luz, Telefone; 5. Produtos para higiene e limpeza; 6. Recursos para manutenções corretivas; 7. Propaganda e Publicidade da empresa; 8. Despesas com terceirização;

Diversificação/Agregação de Valor

Para agregar valor à Empresa de Organização de Eventos existem diversas opções, das mais simples às mais sofisticadas, dentre elas pode-se citar: Parceria com hotéis para oferecer aos noivos noites de núpcias de presente aos clientes; Personalizar o atendimento, oferecendo um atendimento diferenciado a cada um dos clientes; Parceria com spas para oferecer à debutante ou noiva um dia de relaxamento e tratamento estético; Criar formas diferentes de recepcionar os convidados, como por exemplo, oferecer chinelos personalizados para trocarem os sapatos na hora da dança. Neste tópico foram apresentadas apenas algumas opções de diversificação/agregação de valor para Empresa de Organização de Eventos. Vale ressaltar que sempre é possível propor melhorias e novidades, para isso é indicado observar hábitos, ouvir as pessoas e criar novos produtos e novos serviços, com o objetivo de ampliar os níveis de satisfação dos clientes. Agregar valor é oferecer o inesperado ao cliente; ir além da obrigação; oferecer mais e melhor e o que ninguém ainda oferece.

Divulgação

Como diz o ditado popular, “a propaganda é a alma do negócio”. Por meio da propaganda o empreendedor dará destaque ao seu estabelecimento no mercado. É possível a utilização de formas simples e baratas de divulgação. Com criatividade pode-se e buscar alternativas que atraiam os clientes. Entre as alternativas que demandam menos investimento pode-se citar: Utilização de mala direta com mensagens que lembram e divulgam a Empresa de Organização de Eventos; Distribuição de material informativo em pontos estratégicos, como por exemplo, faculdades, igrejas e escolas. Outdoor em locais de grande circulação de pessoas. Anúncio em páginas especializadas nos jornais. Site na Internet com fotos dos eventos que foram realizados pela empresa; Distribuição de cartões de visita e folders. O bom atendimento aliado à qualidade nos serviços prestados é uma receita de sucesso para qualquer Empresa de Organização de Eventos. Clientes satisfeitos tendem a comentar com outras pessoas e não existe melhor propaganda que a tradicional “boca-a-boca”, barata e eficiente.

Informações Fiscais e Tributárias

O segmento de EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 8230-0/01 como atividade de organização de festas e eventos, familiares ou não, além da promoção de feiras, leilões, congressos, convenções, conferências e exposições comerciais e profissionais, poderá optar pelo SIMPLES Nacional – Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei.

Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/SimplesNacional/):

• IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica);
• CSLL (contribuição social sobre o lucro);
• PIS (programa de integração social);
• COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social);
• ISSQN (imposto sobre serviços de qualquer natureza);
• INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal).

Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 4% a 17,42%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período.

Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.

Se a receita bruta anual não ultrapassar a R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), o empreendedor, desde que não possua e não seja sócio de outra empresa, poderá optar pelo regime denominado de MEI (Microempreendedor Individual) . Para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 – Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ). Neste caso, os recolhimentos dos tributos e contribuições serão efetuados em valores fixos mensais conforme abaixo:

I) Sem empregado
• 5% do salário mínimo vigente – a título de contribuição previdenciária do empreendedor;
• R$ 5,00 a título de ISS – Imposto sobre serviço de qualquer natureza.

II) Com um empregado: (o MEI poderá ter um empregado, desde que o salário seja de um salário mínimo ou piso da categoria)

O empreendedor recolherá mensalmente, além dos valores acima, os seguintes percentuais:
• Retém do empregado 8% de INSS sobre a remuneração;
• Desembolsa 3% de INSS patronal sobre a remuneração do empregado.

Havendo receita excedente ao limite permitido superior a 20% o MEI terá seu empreendimento incluído no sistema SIMPLES NACIONAL.

Para este segmento, tanto ME, EPP ou MEI, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias.

Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN – Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011.

Eventos

Feira Noivas e Festas Local: Jundiaí – SP Realização: Adelson Eventos Site: http://www.adelsoneventos.com.br/site-noiva/index.html Expo noivas e festas Local: São Paulo e Rio de Janeiro Realização: Goal Promoções e Feiras Site: http://www.exponoivas.com.br Mega festas kids Local: São Paulo Realização: Notícias e Notas Site: http://www.megafestas.com.br/ Expo parques e festas Local:São Paulo Realização: Francal feiras e empreendimentos Site: http://www.expoparquesefesta.com.br

Entidades em Geral

ABEOC – Associação Brasileira de Empresas de Eventos Tel: (11) 3887-3743 ou 3887-4397 Fax: (11) 3884-4894 Site: www.abeoc.org.br SINDIPROM – Sindicato de Empresas de Promoção, Organização e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do Estado de São Paulo. Rua Frei Caneca, 91 – 11° andar – Cerqueira Cesar, São Paulo – SP Telefax: (11) 3120.7099 Site: www.sindiprom.org.br PROCON -Coordenadoria de Proteção e Defesa do Consumidor SCS Ed Venâncio 2000 Bloco B – 60 Sala 240 Brasília – DF Telefone: (61) 151 Ministério do Turismo Esplanada dos Ministérios, Bloco “U” – 2º/3º andar Brasília – DF Site: http://www.turismo.gov.br Embratur SCN Quadra 02 bloco G Ed. Embratur Brasília – DF Site: http://www.turismo.gov.br/turismo/o_ministerio/embratur/

Normas Técnicas

Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).

Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física).

Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.

1. Normas específicas para uma Empresa de Organização de Eventos:

ABNT NBR 16513:2016 – Organizador de eventos – Competências pessoais

Esta Norma especifica as competências dos profissionais que exercem a função de organizador de eventos.

ABNT NBR 16004:2016 – Eventos – Classificação e terminologia

Esta Norma fornece diretrizes para a classificação de eventos e os termos específicos utilizados no segmento.

2. Normas aplicáveis para uma Empresa de Organização de Eventos:

ABNT NBR 15842:2010 – Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais

Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente.

ABNT NBR ISO 20121:2012 – Sistemas de gestão para sustentabilidade de eventos — Requisitos com orientações de uso

Esta Norma especifica os requisitos de um sistema de gestão para sustentabilidade de eventos para qualquer tipo de evento ou atividades relacionadas a eventos, bem como fornece orientações sobre a conformidade com esses requisitos.

ABNT NBR 12693:2013 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio

Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio.

ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 – Instalações elétricas de baixa tensão

Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.

ABNT NBR ISO IEC 8995-1:2013 – Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior

Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho.

ABNT NBR 5419-1:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas -Parte 1: Princípios gerais

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para a determinação de proteção contra descargas atmosféricas.

ABNT NBR 5419-2:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas – Parte 2: Gerenciamento de risco

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para análise de risco em uma estrutura devido às descargas atmosféricas para a terra.

ABNT NBR 5419-3:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas – Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida

Esta Parte da ABNT NBR 5419 estabelece os requisitos para proteção de uma estrutura contra danos físicos por meio de um SPDA – Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas – e para proteção de seres vivos contra lesões causadas pelas tensões de toque e passo nas vizinhanças de um SPDA.

ABNT NBR 5419-4:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas – Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura

Esta Parte da ABNT NBR 5419 fornece informações para o projeto, instalação, inspeção, manutenção e ensaio de sistemas de proteção elétricos e eletrônicos (Medidas de Proteção contra Surtos – MPS) para reduzir o risco de danos permanentes internos à estrutura devido aos impulsos eletromagnéticos de descargas atmosféricas (LEMP).

ABNT NBR 9050:2015 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quanto ao projeto, construção, instalação e adaptação do meio urbano e rural, e de edificações às condições de acessibilidade.

Glossário

RSVP – é a abreviação de Répondez S’il Vous Plaît, uma expressão francesa, que traduzida para o português significa “Reponda, por favor”. Abreviação muito utilizada em convites de grandes eventos para a confirmação da presença dos convidados.Comma-separated values – formato de arquivo que armazena dados tabelados.

A empresa Movelaria Paranista elaborou um glossário sobre hotelaria, turismo , gastrononomia e eventos que pode ser acessado gratuitamente pelo link http://www.movelariaparan ista.com.br/images/stories/noticias/Glossario/gloss%C3%A1rio%20de%20turismo%20e% 20gastronomia%2010.pdf.

Dicas de Negócio

Dicas importantes para quem pensa em montar uma Empresa de Organização de Eventos: Investir em capacitação: o nível de profissionalização do setor é uma necessidade iminente. Dar o mesmo grau de importância aos eventos independentemente do seu porte ou magnitude; Um bom planejamento é essencial para o sucesso do evento; Ao fazer a previsão de riscos, elaborar um plano de contingência para cada cenário adverso possível; Trabalhar com fornecedores confiáveis e de boa qualidade é fundamenta, sem fornecedores de qualidade não se obtém excelência;

Características

De acordo com McClelland (1972), citado por Schmidt e Dreher (2006) existem características comportamentais que são comuns aos empreendedores. Essas características são denominadas Características Comportamentais Empreendedoras – CCEs das quais pode-se citar: Busca constante de oportunidades; Toma iniciativas; É persistente; Possui disposição para correr riscos calculados; Exige de qualidade e eficiência; Compromete-se com o que faz; Procura manter-se informado; Estabelece metas; Planeja e monitora as tarefas; Busca feedback; É confiante e independente; Procura estabelecer redes de contatos e relações comerciais; É negociador; Um empreendedor “saberá aprender o que for necessário para a criação, desenvolvimento e realização de sua visão”. (DOLABELA, 1999 p. 70). Considerando-se esta afirmativa, percebe-se em qualquer área que se deseje atuar é preciso estar disposto a aprender. Para ter sucesso em uma Empresa de Organização de Eventos é necessário que o empreendedor se concentre no desenvolvimento das características empreendedoras citadas.

Bibliografia

CESCA, Cleuza G. Gimenes. Organização de eventos: manual para o planejamento e execução. São Paulo. Summus, 2008. DOLABELLA, Fernando. Oficina do empreendedor. São Paulo. Cultura Editores Associados, 1999. ———–. O segredo de Luisa. São Paulo. Cultura Editores Associados, 1999. ZANELLA, Luiz Carlos. Manual de organização de eventos: planejamento e operacionalização. São Paulo. Atlas, 2008. ZOBARAN, Sérgio. Evento é assim mesmo: do conceito ao brinde. Rio de Janeiro. Senac, 2008. Referências Eletrônicas: COGO, Rodrigo. Mercado de eventos exige profissionalização. Disponível em: http://serrp.blogspot.com/2008/01/mercado-de-eventos-exige.html. Acesso em Janeiro /2010 Consultoria Turística Integrada. I dimensionamento econômico da indústria de eventos no Brasil. Disponível em: Acesso em Janeiro / 2010 FERNANDES, Fernanda. Perspectivas de trabalho para o profissional de eventos. Disponível em: http://www.revistaturismo.com.br/artigos/prof-eventos.html. Acesso em: Janeiro / 2010

Fonte: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/Como-montar-uma-empresa-de-organiza%C3%A7%C3%A3o-de-eventos

Calegari Contabilidade

Contabilidade em Saltinho

Motivos para você lutar pela reputação da empresa

Os resultados dos seus esforços começam a brotar. É a colheita se aproximando.

Foram anos de trabalho árduo, sacrifícios, noites mal dormidas.

As pessoas duvidaram de você no primeiro momento, talvez você mesmo tenha duvidado (eventualmente não apenas no primeiro momento).

Você encarou riscos, a economia sempre instável e cheia de surpresas, enfrentou a burocracia brasileira.

Reputação dá trabalho! Você lutou. Sim, mas ainda não pode descansar – e possivelmente nunca poderá – caso decida manter a sua reputação em alta.

Não deixe a sua reputação diluir. Não se iluda, tudo vai conspirar para que ela seja diluída ao longo do tempo. Mantê-la dará muito trabalho. Mas vale a pena.

Afinal de contas, reputação, assim como o tempo, é dinheiro.

Seguem algumas dicas.

Fuja do “lugar comum”

Não se iluda, as pedras do caminho surgirão

Muito mais importante do que o batido blá, blá, blá sobre aprendizado e superação, entenda que desejar um lugar ao sol, exigirá preparo, capacidade e astúcia.

A marcha será de muitos quilômetros. Não se trata de uma corrida de cem metros;

Seja original, sem ser iludido

Saiba reproduzir de forma rentável e aplicável aquilo que de alguma forma já funciona.

Mas aos poucos construa o seu espaço próprio, os seus conceitos, o seu produto, a sua distinção;

Cultive a sua personalidade

Saiba fugir do senso comum e não perca o senso crítico.

Contudo, contando com essa calibragem, seja convicto de seus argumentos e conceitos, tendo coragem de pensar por conta própria e defender leoninamente suas crenças.

Não se preocupe tanto em ser aceito ou com “narizes torcidos”;

“Esteja preparado para toda a descrença que originalmente surgirá ao seu redor”

Trabalhe com foco na realização

Significa em termos empresariais, construir algo que se sustente economicamente, mas sem afobação com os legítimos ganhos financeiros que deseja migrar para o seu bolso;

Não perca tempo com modismos de gestão

Desenvolva um estilo próprio, sem se importar com o aval de “especialistas”.

E caso conclua que em determinado momento ou estágio é necessário ser controlador e centralizador, simplesmente aja como tal e ponto final;

Fale menos e realize mais

O mundo está cheio de retóricos. De empreendedores de mesa de bar, de gente empolgada após a segunda dose.

O duro e virtuoso é colocar a mão na massa numa segunda feira chata e chuvosa.

Seja um exemplo inquestionável

1- Torne a qualidade do seu trabalho, serviço ou produto, em algo que ultrapasse a percepção comum.

2- Cumpra compromissos com pontualidade. Quando o atraso for inevitável, atue com antecedência

3- Empenhe e cumpra a sua palavra vigorosamente, mas jamais minimiza a importância de firmar isto em contratos ou outros instrumentos formais. Ninguém é obrigado a confiar em você, portanto compreenda a necessidade da segurança jurídica;

“FALAR É FÁCIL. O DURO E VIRTUOSO É COLOCAR A MÃO NA MASSA NUMA SEGUNDA FEIRA CHATA E CHUVOSA.”

4- Seja verdadeiro em relação a sua capacidade. Jamais prometa aquilo que não possa cumprir ou entregar. Ao mesmo tempo nunca deixe de expor a totalidade do seu potencial empresarial;

5- Lute para ser sólido não apenas nas atitudes e na postura. Busque solidez financeira, por meio de uma gestão prudente e rigoroso controle;

6- Construa uma cultura que valorize a precisão de informações, fugindo completamente das generalidades;

7- Cobre o preço justo. Nem mais, e nem menos, do que realmente vale o seu serviço ou produto;

8- Comunique-se sempre de forma clara, estruturada e simples;

Boa sorte e até o próximo.

Fonte: http://saiadolugar.com.br/reputacao-da-empresa/

Calegari Contabilidade

Empreendedor inovador: Como me tornar um mestre da inovação em Saltinho?

Com as constantes mudanças no mercado e o consumidor cada vez mais engajado, opinativo e formador de opinião, inovar deixou de ser um diferencial e passou a ser necessidade.

Seja em seu produto ou serviço, na maneira de entregá-lo ao cliente, na forma de produzir, nos processos internos, no Marketing ou com o seu time de vendas: se você não pensar fora da caixa e produzir algo que impacte o consumidor, possivelmente você será engolido pelo mercado.

Porém, inovar não é uma tarefa assim tão fácil.

Para ser um empreendedor inovador, geralmente, são necessárias pesquisas, testes, análises, mensuração de resultados e, só aí você conseguirá realmente estará apto para colocar a sua nova ideia em prática em sua empresa.

E existem alguns métodos ou atitudes que podem ajudar o empreendedor a trabalhar o seu lado inovador da melhor maneira possível, facilitando esse processo de transição e garantindo bons resultados e menores custos.

Por isso, conheça alguma dicas para que os processos de inovação em sua empresa deixem de ser uma grande dor de cabeça e se tornem o mais naturais e espontâneos possíveis.

Contrate pessoas criativas

Você não faz a sua empresa sozinho. E, muito do que você entrega é resultados das pessoas que você contrata.

Por isso, se você quer que sua empresa seja criativa, você precisa contratar pessoas que tenham essa característica, para ajudar a compor o cenário de inovação do seu negócio.

E esse traço é facilmente observado durante os processos de contratação e não deve se limitar a uma pergunta “Você se considera criativo?”.

A postura, a linguagem, o modo com que ele se comporta diante das perguntas feitas, as respostas dadas a questões que nem se relacionam com criatividade: tudo isso pode ser observado por um gestor durante uma entrevista de emprego.

Exemplo: Você pode testar a capacidade criativa do seu candidato através de um questionário online, mesmo antes da entrevista, ou através de alguma dinâmica no caso de entrevistas em grupo.

Até um texto ou um problema matemático podem revelar a capacidade de pensar além do convencional de uma pessoa, e para empreendedores que desejam um viés claro de inovação em suas empresas, esse pré-requisito deve ser tão importante quanto a formação ou o conhecimento técnico.

Além disso, processos podem ser ensinados, mas características comportamentais dificilmente são passadas adiante.

Incentive a criatividade

Além disso, incentivar a criatividade das pessoas que já estão com você pode fazer a diferença no caráter inovador da sua empresa.

E isso deve até fazer parte da cultura do seu negócio: resolver os problemas da maneira mais prática e com menor custo é uma forma clara de ser inovador e de fazer com que a inovação interfira positivamente nos seus resultados.

Por isso, ao encontrar situações atípicas ou mesmo problemas dentro da sua empresa, motive os seus colaboradores a solucionarem esse contexto de maneira inovadora, e parabenize os resultados de quem conseguir!

Exemplo: Diante de crises ou impasses, reuniões de brainstorm são uma excelente forma de incentivar os membros do seu time a pensar fora da caixa.

Isso trará uma gama de possibilidades ainda maior, ajudará na integração das pessoas e ainda vai gerar resultados inovadores e com grande chance de sucesso.

Isso porque quando muitas cabeças pensam a respeito de uma única solução, elas tendem a encontrar as falhas do processo e poderão corrigi-las antes mesmo de colocar a ideia em teste.

Conheça seus consumidores

O principal interessado em receber os melhores produtos e serviços da sua empresa são os seus clientes e potenciais clientes.

Por isso, entender as suas necessidades e desejos te deixará um passo a frente dos seus concorrentes no quesito inovação.

Afinal você terá a oportunidade de conduzir soluções inovadoras que casem com suas entregas e ainda impactem a vida de quem compra os seus produtos, o que interfere diretamente em seus resultados.

E eles — seus clientes — geralmente são as pessoas com as melhores ideias ou sugestões de melhorias para a sua empresa, afinal eles consomem o que você produzir e conhecem melhor que ninguém as vantagens e desvantagens do seu produto.

Exemplo: Faça pesquisas de mercado e estreite o relacionamento com seus clientes em suas redes sociais.

Ler os comentário, sejam críticas, sugestões ou elogios, que eles deixam em sua página no Facebook ou Instagram vai te ajudar a entender quais são os maiores problemas enfrentados por eles. E a solução desse problema deve ser inovadora, solucionando essa necessidade.

Além disso, conhecer as críticas e elogios que os clientes fazem também aos seus concorrentes te dará um panorama a respeito do seu mercado, para que você entenda suas forças e fraquezas e possa, de maneira criativa, reverter os problemas ou se sobressair.

Leia muito!

Leia blogs, sites, livros e tudo mais o que possa te ajudar a entender o mercado e conhecer pessoas inspiradoras. Tudo isso poderá te ajudar a ter ideias fantásticas.

E, hoje mais que nunca, existem diversos canais e conteúdos disponíveis para empreendedores que desejam estimular a criatividade através do conhecimento, como o próprio Saia do Lugar, revistas do mundo dos negócios como a Exame ou PEGN, páginas no LinkedIn e vários outros.

Exemplo: Que tal reservar os primeiros 15 a 30 minutos do seu dia para ler os seus blogs e sites preferidos?

Para facilitar esse processo de seleção, você pode assinar a newsletter desses portais e receber por email os principais conteúdos relacionados a suas áreas de interesse, o que tornará o seu dia a dia ainda mais simples!

Não faça sempre mais do mesmo

Esqueça as fórmulas de sucesso. É claro que se existe algum processo que funciona muito bem para a sua empresa, você deve utilizá-lo. Porém, isso não te dá a garantia de que não existam outros métodos que podem trazer ainda melhores resultados.

Exemplo: Você possivelmente já deve utilizar uma estratégia de Marketing que tem funcionado bem para o seu negócio. Porém, existem diversas oportunidades, principalmente dentro do Marketing Digital, que podem trazer outros benefícios como aumento do engajamento, do tráfego em seu site ou blog, autoridade de mercado, etc. E todos esses benefícios podem impactar significativamente os seus resultados, e claro, também suas vendas.

Por isso, experimente! Tente algo novo.

É importante calcular os riscos e entender quais são as suas reais necessidades, porém fazer sempre mais do mesmo te trará sempre mais dos mesmos resultados. E nenhum empreendedor quer — ou deve querer — ficar estagnado.

Conclusão

Inovar é preciso e pode ser uma tarefa ainda mais simples se dosado em atitudes diárias que incentivem a criatividade, tanto do empreendedor quanto de todos os outros envolvidos em seu negócio.

E lembre-se que a ideia aqui não serve apenas para criar um produto inovador, mas sim para pensar em maneiras diferentes de solucionar qualquer problema ou de incrementar a sua entrega.

Por isso não se limite a pensar a respeito do que você vende mas sim do como, nos canais de entrega, nas formas de pagamento, na funcionalidade do seu site, na maneira com que os seus colaboradores executam suas tarefas diariamente e em todos os processos que envolvem o seu negócio.

Pequenas atitudes inovadoras podem impactar os seus resultados, e elas não necessariamente estão da porta para fora!

Calegari Contabilidade

Contabilidade em Saltinho

10 ideias de negócios lucrativas e sustentáveis para por em prática em Saltinho

Se  estiver pensando em montar uma empresa, saiba que existem opções rentáveis e de bem com o meio ambiente

1. Negócios verdes

Ser uma empresa sustentável não significa só economizar papel ou substituir os copinhos plásticos. “Um negócio sustentável seria o aquele que garante o equilíbrio do meio ambiente e usa procedimentos éticos”, explica Ariane Reis, coordenadora de Núcleo de Estudos e Negócios Sustentáveis da ESPM. Esta geração de negócios nasce com o objetivo de ser uma empresa boa para o meio ambiente e também para as pessoas envolvidas neste processo. “O que eu tenho observado é que os empreendedores estão levando para o desenvolvimento do seu produto as ideologias que eles acreditam”, diz Ariane. E, ao que tudo indica, já existe um grande mercado consumidor disposto a pagar por isso. Um estudo feito pela consultoria inglesa Mintel mostra que 68% dos americanos compram produtos verdes com frequência. Com mais gente preocupada com o que consome, existe um mercado latente para pequenas empresas. “Investir em negócios sustentáveis é olhar o futuro. Existe uma tendência grande, principalmente com o que envolve serviços e alimentação”, diz. A Green For All, uma organização americana que estuda e promove a economia sustentável, levantou os 10 tipos de negócios com mais chances de sucesso dentro do tema sustentabilidade. “As pequenas empresas e os empreendedores serão a chave para resolver nossos problemas com a economia e o meio ambiente”, diz a pesquisa. Veja nas fotos quais são os tipos de empresas com mais potencial lucrativo e sustentável.

2. Alimentação

Com os níveis de obesidade cada vez mais altos, a preocupação com uma alimentação mais saudável também cresce. O estudo sugere que há oportunidades para empresas que invistam em alimentos produzidos localmente, sem componentes químicos ou pesticidas. Entre as oportunidades com mais potencial, os pesquisadores ressaltam a venda e produção de café orgânico, a organização de mercados locais ou cooperativas de produtores e restaurantes ou bufês orgânicos.

3. Energia

A redução do aquecimento global depende da substituição dos combustíveis fósseis por fontes renováveis. O estudo enxerga diversas oportunidades para pequenas empresas que ajudem residências e empresas a usarem este tipo de energia. Companhias que façam instalação de placas de energia solar são exemplos de negócios que podem dar certo nesta área.

4. Transporte

O transporte é um dos principais problemas de grandes centros urbanos. O consumo de combustíveis poluentes é enorme e existem poucas alternativas sustentáveis. O estudo, no entanto, ressalta que mesmo negócios simples podem ajudar. O conserto de bicicletas, por exemplo, poderia fazer crescer a frota de bikes nas ruas. Outra opção na área de transporte são táxis com veículos híbridos.

5. Varejo

A demanda por produtos eficientes, seguros e não tóxicos é crescente, de acordo com o estudo. Roupas feitas com algodão orgânico e corantes naturais e cosméticos não testados em animais estão na lista de startups que podem crescer. Um bom exemplo, neste caso, é a empresa The Honest Company, da atriz Jessica Alba, que vende produtos não tóxicos e seguros para crianças.

6. Limpeza

Assim como as pessoas não querem vestir ou comer produtos pouco seguros para a saúde e para o meio ambiente, há mercado também para produtos de limpeza ecológicos. Itens biodegradáveis e serviços de limpeza certificados são citados na pesquisa. A linha de produtos de limpeza ecológicos Biowash, por exemplo, é uma das mais antigas no mercado brasileiro.

7. Reuso

O estudo diz que reutilizar materiais e produtos antigos é até melhor do que reciclar. O movimento chamado “upcycling” propõe reconstruir peças para terem um período de vida maior. É o caso de roupas e móveis, um nicho colocado pelos pesquisadores como forte. A parte boa é que é possível dar uma cara nova para coisas que já não se usa e até ganhar dinheiro com isso.

8. Construção

Mesmo que a preocupação não seja puramente ecológica, muita gente está buscando especialistas em construção para reduzir as contas de água e luz. Um dos movimentos apontados no estudo é o de deixar edifícios e casas em mais eficientes, gastando menos energia e dinheiro. Uma das sugestões de negócios da pesquisa é o investimento em telhados verdes, que são cobertos por plantas para reduzir a temperatura do ambiente e ainda dar mais verde para a paisagem.

9. Paisagismo

Por falar em teclados verdes, os paisagistas estão em alta dentro dos negócios sustentáveis. Em prédios comerciais em busca de certificações, como o LEED, muitas vezes é preciso convocar um profissional para ajudar na adequação. Outro tipo de negócio importante é o de serviços de encanador, já que ter boas instalações evita desperdício de água.

10. Tecnologia

O estudo chama de Tecnologia da Informação verde uma das áreas de maior potencial. A ideia é criar negócios para prestarem serviços a outras empresas como consultorias e análises de gastos energéticos em data-centers, por exemplo. Outro exemplo é o de reciclagem de produtos eletrônicos.

11. Microfinanciamento

Apesar da imagem sustentável de alguns bancos, ainda hoje é difícil conseguir financiamento para negócios verdes. Por isso, o estudo apresenta fundos de investimento-semente como uma oportunidade para empreendedores sociais. Para pessoas bem relacionadas, com contatos importantes, organizações de microfinanciamento também são uma opção.

Fonte: http://exame.abril.com.br/pme/10-ideias-de-negocios-lucrativas-e-sustentaveis/

Calegari Contabilidade

Contabilidade em Saltinho

Como montar um serviço de conservação e limpeza em Saltinho


Apresentação

Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender?

O mercado de serviços de conservação e limpeza pode ser considerado um fenômeno recente do segmento econômico de micro e pequenas empresas. Embora houvesse prestadores de serviço atuando há muitos anos no setor, a maioria das grandes empresas utilizava uma equipe própria de limpeza. O serviço era executado sem técnicas adequadas ou equipamentos e produtos profissionais, pois as atividades não representavam a principal função da organização e os clientes ainda não davam tanta importância para a higiene do recinto na aquisição de produtos e serviços.

De acordo com as estatísticas do segmento de limpeza, este é o setor com mais crescimento no Brasil, formalizando diretamente cerca de 1,6 milhões de trabalhadores, que estão alocados em aproximadamente 13 mil empresas no país. Estatísticas revelam que 66% das empresas do setor têm até 20 funcionários e cerca de 5% têm média acima de 500 funcionários. O mercado é composto basicamente de 95% de micro, pequenas e médias empresas.

De acordo com as novas características do mercado e a grande diversificação de empresas atuantes no segmento, as oportunidades podem estar relacionadas à oferta de serviços para distintos setores da economia, podendo prestar serviços para empresas, residências, condomínios e prédios residenciais. A empresa deverá definir sua visão, missão, valores, análise de ambiente, bem como definição de seu posicionamento estratégico para atuar junto ao público alvo escolhido.

Uma alternativa de prestação do serviço de conservação e limpeza está relacionada ao crescente mercado imobiliário que aumenta as oportunidades no segmento de manutenção de limpeza de áreas comuns de condomínios.

Outra ramificação do setor de limpeza que tem crescimento bastante acentuado é o de limpeza pós-obra, uma vez que o mercado amplo de construção civil requer empresas qualificadas para a finalização dos empreendimentos e entrega aos proprietários.

A limpeza em residência é outra oportunidade dentro do mercado de limpeza que merece destaque porque é a alternativa de ofertar um serviço de diárias sem que o cliente tenha a necessidade de vinculo empregatício com o colaborador. Esse mercado tem tido crescimento acentuado após a aprovação da Lei das Domésticas. Ao contratar uma empresa de limpeza em residência, o “patrão” fica dispensado de pagar os encargos sociais e trabalhistas na realização do serviço.

Mas o grande filão do negócio é mesmo o serviço público, com 90% de instituições que praticam a terceirização, representando 60% do faturamento do segmento de conservação e limpeza.

Para a celebração de contratos junto aos órgãos da administração pública, a empresa deverá participar dos procedimentos licitatórios, estando atenta para o fato de que é requisito para a celebração de contratos a demonstração de experiência por meio de Atestados de Capacidade Técnica.

Um fator que deve ser levado em consideração é a falta de profissionais capacitados atuantes nos serviços de limpeza. A alternativa de um empreendimento com profissionais capacitados pode ser um fator de diferenciação, uma vez que, como o mercado de prestação deste tipo de serviço é bastante amplo, irão diferenciar-se as empresas que possuem, em seu quadro de empregados, profissionais qualificados para a execução de serviços de forma satisfatória.

Este documento não substitui o plano de negócio. Para elaboração deste plano consulte o Sebrae mais próximo.

Mercado

A Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza Ambiental – FEBRAC divulgou pesquisa demonstrando que só em 2011, o segmento de limpeza movimentou no país uma média de 32 bilhões de reais e empregou formalmente 1,6 milhão de trabalhadores em pouco mais de 13 mil empresas distribuídas em todos os Estados brasileiros.

Geograficamente, o mercado com maior potencial se concentra nas regiões Sul e Sudeste onde encontramos cerca de 72% das empresas prestadoras de serviço e dos trabalhadores do setor. Entretanto nas demais regiões também tem se obtido expressivo crescimento na prestação deste serviço.

No País, existem cerca de 13.200 empresas, sendo que 53% estão localizadas na Região Sudeste, ou seja, um total de quase 7 mil empresas. Quanto ao número de trabalhadores o percentual é ainda maior. Ao todo são 930 mil profissionais, que representam 58% dos 1,6 milhão estimados pelo setor. O faturamento também supera o de outras regiões: são R$ 18,9 bilhões, 59% de tudo que lucra o setor no País. Este mesmo percentual de 59% é pago em impostos federais e municipais – (ISS, FGTS, INSS e Sistema S.)

Com relação a investimentos em treinamento, o Sudeste do mesmo modo se despontou. Em média, foram destinados em torno de R$ 120,00 para cada funcionário ao ano totalizando R$ 56 milhões somente em 2011.

Tanto na região Sudeste e Sul, quase 70% dos prestadores de serviço é micro e pequenas empresas, com menos de 20 funcionários.

O segmento de limpeza é promissor no Brasil e deve ter contínuo crescimento pela profissionalização no ramo, ocasionado também pela crescente utilização de produtos e equipamentos especializados, principalmente nos segmentos que utilizam a terceirização, o crescimento deverá ser proporcional ao PIB nacional.

No ano de 2012 as franquias de limpeza e conservação lucraram R$ 1 bilhão em faturamento. Levando em consideração os números do ano anterior (2011), o setor obteve um aumento de mais de 44,5% no faturamento. O setor somou mais de 75 franqueadas e 2.742 unidades, uma variação de 29% e 30%, respectivamente. Estes são dados da Associação Brasileira de Franchising – ABF. Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF, explicou que a explosão em faturamento das franquias de limpeza e conservação tem relação com a mudança comportamental da sociedade.

Localização

A localização do ponto comercial não é um fator determinante para o sucesso de uma prestadora de serviços de conservação e limpeza, visto que o serviço sempre será realizado fora da sede, no local da prestação do serviço. Portanto, o empreendedor deve se instalar em um local que permita a execução adequada das atividades administrativas e financeiras da empresa. Alguns detalhes devem ser observados na escolha do imóvel:
– O imóvel deve atender às necessidades operacionais referentes à localização, capacidade de instalação do negócio, possibilidade de expansão, características da vizinhança e disponibilidade dos serviços de água, luz, esgoto, telefone e internet.
– O ponto comercial deverá ser de fácil acesso, possuir estacionamento para veículos, local para carga e descarga de mercadorias e contar com serviços de transporte coletivo nas redondezas.
– Verificar se o local não está sujeito a inundações ou próximo a zonas de risco. Consulte a vizinhança a respeito.
– Verificar se o imóvel está legalizado e regularizado junto aos órgãos públicos municipais que possam interferir ou impedir sua futura atividade.
– Verificar se não foi executada alguma obra posterior a aprovação do imóvel junto ao órgão competente, aumentando, modificando ou diminuindo a área primitiva.
– Verificar se as atividades a serem desenvolvidas no local respeitam a Lei de Zoneamento ou o Plano Diretor do Município.
– Verificar se o pagamento do IPTU referente ao imóvel encontra-se em dia.
– Caso sejam instaladas placas de identificação do estabelecimento, o empreendedor deverá antecipadamente verificar o que determina a legislação local sobre o licenciamento das mesmas.

Exigências Legais e Específicas

Para registrar uma empresa, a primeira providência é contratar um contador – profissional legalmente habilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá-lo na escolha da forma jurídica mais adequada para o seu projeto e preencher os formulários exigidos pelos órgãos públicos de inscrição de pessoas jurídicas.

Registro de empresa nos seguintes órgãos:
– Junta Comercial;
– Secretaria da Receita Federal (CNPJ);
– Secretaria Estadual da Fazenda;
– Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento;
– Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada ao recolhimento anual da Contribuição Sindical Patronal);
– Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”;
– Corpo de Bombeiros Militar;

Além do registro da empresa junto aos órgãos citados é preciso fazer uma visita à prefeitura da cidade onde pretende montar a sua empresa (quando for o caso) para fazer consulta acerca do imóvel a ser utilizado, se este pode abarcar o tipo de prestação de serviço.

Será necessário a obtenção do alvará de licença sanitária – adequar às instalações de acordo com o Código Sanitário (especificações legais sobre as condições físicas). Em âmbito federal a fiscalização cabe a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Em âmbito estadual e municipal ,fica a cargo das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde (quando for o caso).

As empresas que fornecem serviços e produtos no mercado de consumo devem observar as regras de proteção ao consumidor, estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). O CDC, publicado em 11 de setembro de 1990, regula a relação de consumo em todo o território brasileiro, na busca de equilibrar a relação entre consumidores e fornecedores.

– Existem Resoluções RDC da ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária que impactam diretamente nos insumos utilizados em uma empresa de Serviço de Conservação e Limpeza. Dessa forma, é importante uma atenção especial na compra de insumos que atendam essas Resoluções.

– Decreto nº. 2.271, de 07 de julho de 1997, que dispõe sobre a contratação por meio de editais de licitação, dos serviços de limpeza e conservação no âmbito da administração pública federal direta, autarquias e fundacional.

– Código Civil, instituído pela Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que disciplina a prestação de serviço, definindo também a relação contratante
e contratado. Recomenda-se leitura atenta aos artigos e parágrafos para que o empreendedor saiba
corretamente os direitos e deveres que estará sujeito.

Deve-se atentar para a legislação trabalhista, no que concerne às atividades insalubres e perigosas, uma vez que os empregados da empresa prestadora de serviços de conservação e limpeza usam produtos tóxicos como alvejantes, álcool etílico, entre outros. Destaca-se o art. 189 do Decreto-Lei nº 5.452, de 1 de maio de 1943 – Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, que define a insalubridade e recomenda-se leitura atenta da Norma Regulamentadora nº 15, que apresenta os padrões para que uma atividade / tarefa seja considerada insalubre, ambas disponíveis no site do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE.

Sistema Nacional de Defesa do Consumidor – SNDC, regulamentado pelo Decreto Federal nº. 2.181, de 20 de março de 1997, que estabelece as normas gerais de aplicação das sanções administrativas previstas na Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

Estrutura

O tamanho da estrutura da empresa vai depender do volume do investimento no projeto. Independente do tamanho do negócio projetado, o mesmo deverá contemplar os seguintes espaços:
– Um local para instalar a administração da empresa.
– Uma sala para treinamento dos funcionários.
– Um espaço para o depósito da material para limpeza e equipamentos.
– Um local para sanitários para funcionários e clientes.

Considerando os espaços acima, a área necessária para instalar a empresa seria em torno de no mínimo 80 metros quadrados.

Pessoal

Para a gestão e operacionalização de uma empresa de conservação e limpeza, sem considerar seu volume de contratos, recomenda-se a seguinte estrutura organizacional:

– Diretoria – Normalmente ocupada pelo empreendedor, o qual é responsável pela tomada de todas as decisões administrativas e financeiras. O mesmo deve estar atento a todas as atividades da empresa.
– Gerência Administrativa – deve ser responsável por todas as negociações e contratações de serviços, compras de produtos, equipamentos e acessórios, treinamento e contratação de pessoal.
Supervisão – será responsável por instruir e acompanhar (quando necessário) os funcionários nas atividades, realizar vistorias e estar em contato direto com os clientes.
– Operacionais administrativos – são responsáveis pelos serviços administrativos na sede da empresa.
– Operacionais de serviços gerais – são responsáveis pela execução dos serviços de limpeza nos clientes da empresa e também na sede da mesma.

A Gestão de Pessoas é uma das principais atividades do negócio de Conservação e Limpeza. O número de funcionários vai variar de acordo com os contratos firmados. Um novo cliente que chega representa a contratação de novos funcionários, assim como o encerramento de um contrato implica na dispensa de funcionários. Portanto, a alta rotatividade de pessoal exige o cumprimento rigoroso da legislação trabalhista. Qualquer falha no pagamento de rescisões pode gerar contendas judiciais e impactar negativamente o faturamento da empresa.

O setor revela-se como o maior empregador para indivíduos com escolaridade baixa. No exercício de 2011 o segmento investiu cerca de R$ 110 milhões em capacitação de pessoal. A qualificação de profissionais aumenta o comprometimento com a empresa, eleva o nível de retenção de funcionários, melhora a performance do negócio e diminui os custos trabalhistas com a rotatividade de pessoal. O treinamento dos colaboradores deve desenvolver as seguintes competências:
– Capacidade de percepção para entender e atender as expectativas dos clientes.
– Agilidade e presteza no atendimento.
– Capacidade de apresentar e vender os serviços da empresa.
– Motivação para crescer juntamente com o negócio.

Equipamentos

Para a recepção e área administrativa:

Impressora multifuncional laser: R$ 600,00
No break: R$ 450,00
Telefone de mesa com chave: R$ 33,00
Armário Alto Fechado: R$ 466,00
Armário baixo fechado: R$ 246,00
Armário Executivo: R$ 394,00
Mesa 0,96×0,60 sem gavetas: R$ 175,00
Mesa 1,20×0,60 com 02 gavetas c/chave: R$ 213,00
Conexão Arredondada: R$ 66,00
Mesa de reunião redonda: R$ 276,00
Cadeira secretária standart: 4 x R$ 61,60
Poltrona presidente standart giratória com braço: R$ 282,90
Monitor 15,6`: R$ 299,00
Computador: R$ 900,00
Periféricos: R$ 90,00
Lixeira com pedal: R$ 25,00
Longarina 3 lugares: R$ 667,00
Aparelho de TV 32′: R$ 1.800,00
DVD Player: R$ 150,00
SubTotal: R$ 7.379,30

Equipamentos para a execução dos serviços:

Carro Multiuso para limpeza: 3 x R$ 513,43 = R$ 1.540,29
Kit Limpa Vidros: 3 x R$ 60,81 = R$ 182,43
Carro para MOP: 3 x R$ 320,00 = R$ 960,00
Carro de Limpeza com bolsa 90 l: 3 x R$ 513,00 = R$ 513,00
Enceradeira: 3 x R$ 300,00 = R$ 900,00
Aspirador de Pó: 3 x R$ 399,00 = R$ 1.197,00
Lavadouras Automáticas: 3 x R$ 750,00 = R$ 2.250,00
Varredeiras: 3 x R$ 699,00 = R$ 2.097,00
Placa de Sinalização: 5 x R$ 25,00 = 125,00
SubTotal: R$ 10.790,00

TOTAL: 18.169,30

Matéria Prima/Mercadoria

A gestão de estoques no varejo é a procura do constante equilíbrio entre a oferta e a demanda. Este equilíbrio deve ser sistematicamente aferido através de, entre outros, os seguintes três importantes indicadores de desempenho:
Giro dos estoques: o giro dos estoques é um indicador do número de vezes em que o capital investido em estoques é recuperado através das vendas. Usualmente é medido em base anual e tem a característica de representar o que aconteceu no passado.
Obs.: Quanto maior for a freqüência de entregas dos fornecedores, logicamente em menores lotes, maior será o índice de giro dos estoques, também chamado de índice de rotação de estoques. Cobertura dos estoques: o índice de cobertura dos estoques é a indicação do período de tempo que o estoque, em determinado momento, consegue cobrir as vendas futuras, sem que haja suprimento. Nível de serviço ao cliente: o indicador de nível de serviço ao cliente para o ambiente do varejo de pronta entrega, isto é, aquele segmento de negócio em que o cliente quer receber a mercadoria, ou serviço, imediatamente após a escolha; demonstra o número de oportunidades de venda que podem ter sido perdidas, pelo fato de não existir a mercadoria em estoque ou não se poder executar o serviço com prontidão.
Portanto, o estoque dos produtos deve ser mínimo, visando gerar o menor impacto na alocação de capital de giro. O estoque mínimo deve ser calculado levando-se em conta o número de dias entre o pedido de compra e a entrega dos produtos na sede da empresa.

Uma empresa de conservação e limpeza é tipicamente uma prestadora de serviços, o seu produto de venda é o serviço, com qualidade e satisfação. Para tanto ela utiliza produtos de limpeza para realizar as atividades nos clientes. Dentre estes produtos pode-se destacar:
Detergentes – Os detergentes quebram a tensão superficial da água o que facilita a penetração na superfície, emulsionando a sujeira. Eles são classificados em três tipos: os ácidos, os neutros e os acalinos.
Desinfetantes – São produtos que destroem determinados microorganismos vegetativos em superfícies e objetos. São divididos em desinfetantes de cloro liquido, composto clorado e base de quaternário de amônia.
Ceras – As ceras são aplicadas no piso para melhorar o aspecto e deixá-los brilhantes, além de proteger contra arranhões. São divididas em cera de carnaúba e petróleo, sintéticas, sintéticas 3 em 1, cera de base seladora e cera impermeabilizante.
Removedor de ceras base água/ acrílicas – Removem sujeiras e ceras já sem brilho. Sua função é preparar o piso para receber uma nova camada de cera
Limpador multiuso – Remove a maioria das sujidades e são indicados para serviços de limpezas manuais.
Xampu para carpetes – O produto é diluído em água e forma uma espuma que deve ser aplicada sobre o carpete. Essa espuma remove a sujidade, que deve ser retirada com aspirador de pó.

Organização do Processo Produtivo

Uma boa empresa de Serviços de Conservação e Limpeza oferece, em tempo integral e durante os sete dias da semana, seus serviços. O orçamento pode ser feito baseado na área a ser limpa e no número de funcionários utilizados para exercer a tarefa. Mas, antes, é preciso visitar as instalações dos clientes e conhecer a rotina de trabalho, a fim de traçar a estratégia operacional de limpeza, que inclui:

– horários para a execução do serviço;
– intervalos entre uma limpeza e outra;
– tipos e quantidade de produtos que deverão ser utilizados;
– quantidade necessária de auxiliares de limpeza.

O ideal é dispor de serviços de limpeza comercial “customizada”, ou seja, adequados às necessidades de cada cliente. Os serviços prestados são geralmente:

– limpeza e conservação de ambientes;
– limpeza pós-obra;
– limpeza de carpetes com tecnologia a seco;
– limpeza de locais de eventos;
– limpeza de cadeiras, estofados, poltronas, divisórias e biombos;
– limpeza de vidros;
– limpeza de fachada externa;
– limpeza de sinistros (inundações, incêndios e outros);
– impermeabilizações de pisos;
– polimentos de mármores e granitos;
– gerenciamento e fornecimento de descartáveis;
– serviços de apoio (copa, recepção, portaria e outros).

Em relação aos procedimentos administrativos:

– Apresentação de proposta para futuros clientes.
– Negociação da proposta.
– Fechamento da proposta junto ao cliente.
– Contratação dos funcionários para a execução do serviço.
– Treinamento do pessoal contratado.
– Início da atividade no cliente contratado, com a devida supervisão.
– Geração da fatura para o cliente após trinta dias.
– Geração da folha de pagamentos para os funcionários.
– Geração de boletos para recolhimento dos devidos encargos.

Automação

Uma tendência cada vez mais presente nas empresas que buscam o sucesso é automatizar as diversas atividades desenvolvidas. A automação melhora o dinamismo dos serviços oferecidos, reduzindo filas (quando for o caso), tempo de espera, agilizando a emissão de notas fiscais, entre outros.

Pensando na gestão empresarial, o custo de aquisição para estes programas de gestão tem grande variação de preço e podem até ser encontrados em sites na internet, que oferecem downloads grátis ou junto a empresas especializadas a custos maiores. O importante é ser pesquisado junto a usuários e adequado à realidade da empresa.

No segmento de Limpeza e Conservação, deve ser lembrado a necessidade de manter um banco de dados confiável com todas as informações de contatos, fornecedores, clientes e contratos.

É preciso analisar as reais necessidades da sua empresa de Conservação e Limpeza e a demanda do mercado antes de escolher os equipamentos e os programas de automação.

Estes programas, além do custo de aquisição, cobram taxa de manutenção mensal, também variando bastante de preço.

Canais de Distribuição

O termo “canais de distribuição” ou “marketing” foi durante muito tempo considerado apenas mais um dos componentes do composto mercadológico, juntamente com produto, preço e promoção. Com as mudanças ocorridas nos últimos anos em termos de crescimento do poder dos distribuidores, avanços tecnológicos, necessidade de sustentação de uma vantagem competitiva, entre outros fatores, a distribuição passou a ser vista como o maior meio de se conseguir um avanço e crescimento no mercado.

Neste sentido, os canais de distribuição vêm ganhando cada vez mais importância no meio empresarial e suas estruturas evoluem em termos de formatos e alternativas mais criativas e inovadoras. Com o aumento da concorrência nos diferentes mercados, ter uma estratégia de canais de distribuição bem planejada corresponde a ter os produtos nas prateleiras e conseqüentemente participação no mercado.

As estruturas dos canais variam de acordo com o ramo da empresa, a localização, tamanho de mercado, entre outras variáveis. Quanto maior o grau de serviços que o produto exige, maior tende a serem os níveis de intermediários utilizados e a distância com o consumidor final.

Os canais de distribuição de uma empresa de Conservação e Limpeza em função de sua atividade comercial possuem somente dois estágios, que é entre a empresa e o cliente. Salvo quando a empresa faz parte de rede de franquia, onde a franqueadora master passa a ser um estágio a mais no processo. Veja a simulação abaixo:
1 – EMPRESA DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA – CLIENTE
2 – EMPRESA DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA/FRANQUEADORA – FRANQUIA – CLIENTE

Investimento

Investimento consiste na aplicação de algum tipo de recurso esperando um retorno superior àquele investido, em um determinado período de tempo. O investimento a ser feito em um empreendimento varia muito de acordo com seu porte e pode ser caracterizado como:
– investimento fixo – compreende o capital empregado na compra de imóveis, equipamentos, móveis, utensílios, instalações, reformas etc.;
– investimentos pré-operacionais – são todos os gastos ou despesas realizadas com projetos, pesquisas de mercado, registro da empresa, projeto de decoração, honorários profissionais, compra inicial e outros;
– capital de giro – é o capital necessário para suportar todos os gastos e despesas iniciais, geradas pela atividade produtiva da empresa. Destina-se a viabilizar as compras iniciais, pagamento de salários nos primeiros meses de funcionamento, impostos, taxas, honorários de contador, despesas de manutenção e outros.

O valor do investimento necessário para montar uma empresa de conservação e limpeza irá variar de acordo com o tipo específico de serviço a ser executado. Por esta razão, o ideal é a elaboração de um Plano de Negócio, onde os recursos necessários, em função dos objetivos estabelecidos de retorno e alcance de mercado, poderão ser determinados.

O empreendedor deverá dispor de aproximadamente R$ 113.000,00, considerando uma empresa com 10 (dez) empregados para fazer frente ao pagamento dos seguintes itens:
– Reforma, adaptação do imóvel e instalações: R$ 1.000,00.
– Despesas de registro da empresa, honorários profissionais, taxas etc.: R$ 3.500,00;
– Móveis para sala de recepção/administrativa: R$ 7.379,30
– Veículo: R$ 35.000,00
– Equipamentos para execução dos serviços: R$ 10.790,00;
– Material para execução dos serviços: R$ 1.500,00
– Uniformes: R$ 2.695,00
– desenvolvimento e hospedagem de site: R$ 1.030,00
– capital de giro: R$ 50.000,00

Capital de Giro

Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa.
O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC).

Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa.

Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão- de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa.
Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem maiores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos).

Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.
Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão.

Para se chegar ao valor do capital de giro é necessário ter bem definido despesas futuras como custos fixos e financiamento de vendas (cartão de crédito, cheque ou convênios).

O empreendedor precisa dispor de capital suficiente para a aquisição de produtos de limpeza e peças de manutenção do equipamento e estar preparado financeiramente para receber de forma parcelada, caso opte por oferecer este formato, ou seja, caso o custo fixo de uma empresa seja estimado em R$ 25.000,00 estima-se que a necessidade de giro represente cerca de 1,5 (uma e meia) ou 2x (duas vezes) o valor dos custos fixos para garantir o sustento da empresa em alguma eventualidade.

Custos

São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao preço dos produtos ou serviços prestados, como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria-prima e insumos consumidos no processo de produção.

O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos na compra, produção e venda de produtos ou serviços que compõem o negócio, indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio.

Os Custos Fixos abrangem, em geral, despesas de funcionamento da empresa: aluguel, salários, gastos com contador, água, luz, telefone, internet.

Os Custos Variáveis estão relacionados à quantidade de serviço prestado no mês como, por exemplo: impostos e combustível.

Os Custos Não Operacionais estão relacionados às despesas e/ou investimentos de ordem comercial, como publicidade e propaganda.

Os custos mensais para manutenção de uma empresa que oferece serviços de Conservação e Limpeza podem variar muito. De fato, tais valores dependem do tipo de serviço a ser executado, levando sempre em consideração o efetivo da empresa e o segmento a ser trabalhado.

No caso da empresa possuir uma estrutura fixa (escritório), podemos elencar os principais custos, conforme segue abaixo:

Custos fixos mensais:
Aluguel: R$ 1.400,00
Condomínio: R$ 250,00
IPTU: R$ 100,00
Água: R$ 90,00
Energia Elétrica: R$ 100,00
Telefone: R$ 150,00
Internet: R$ 70,00
Honorários Contador: R$ 724,00
Salários + Encargos: R$ 19.407,00*
*Foi considerado uma empresa com o efetivo de 10 (dez) auxiliares de limpeza e 1 (um) encarregado)
Material de Limpeza: R$ 100,00
Material de Escritório: R$ 20,00
Despesa preventiva de pequenos reparos: R$ 300,00
Lavagem veicular: R$ 150,00
*Foi considerado uma media de 3.000 km por mês
Aluguel de máquinas de cartão de crédito: R$ 120,00
Publicidade e Marketing: R$ 500,00
Tarifa bancária: R$ 40,00
Outras Despesas: R$ 200,00
SubTotal: R$ 23.531,00

Custos Variáveis:
Custos variável de material utilizado na execução dos serviços ao mês*
Material de limpeza: R$ 600,00
Subtotal: R$ 600,00
*Considerado para efeito de cálculo 1 condomínio comercial de 500m2

Custos variáveis por veículo* ao ano:
IPVA e Seguro Obrigatório: R$ 1.500,00
Revisão periódica: R$ 500,00
Seguro Veicular: R$ 3.000,00
Combustível*: R$ 1.200,00
Subtotal= R$ 6.200,00
*Considerado para efeito de cálculo 1 carro popular

Custos mensais totais: Aproximadamente R$ 24.647,67

O custeio com os materiais deve levar em consideração o porte do contratado, bem como as atividades que serão exercidas por este.

O essencial é que se faça uma análise criteriosa de todas as despesas, buscando formas de minimizá-las sem prejudicar a qualidade dos serviços e produtos oferecidos pelo Serviço de Conservação e Limpeza.

Lembramos que estes custos são baseados em estimativas para uma empresa de pequeno porte. Aconselhamos ao empresário que queira abrir um negócio dessa natureza a elaboração de um Plano de Negócio com a ajuda do Sebrae do seu estado no sentido de estimar os custos exatos do seu empreendimento conforme o porte e os serviços oferecidos.

Diversificação/Agregação de Valor

Agregar valor significa oferecer produtos e serviços complementares ao produto principal, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público-alvo. Não basta possuir algo que os produtos concorrentes não oferecem. É necessário que esse algo mais seja reconhecido pelo cliente como uma vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço prestado. Para que isso aconteça é preciso que o empreendedor sempre fique atento aos pequenos detalhes, pois são nestes que irá tirar suas vantagens em relação ao seu concorrente. Segue abaixo sugestões destes detalhes:
– Bom atendimento – Dê sempre o melhor atendimento para o seu cliente. Ele fica sempre satisfeito quando recebe sua atenção e se sente valorizado.
– Interesse em satisfazer, resolver – o cliente precisa sempre ser ouvido e suas opiniões precisam ser consideradas e as soluções devem ser dadas com brevidade.
– Diferenciação – o cliente deve perceber algo de especial no Serviço de Limpeza e Conservação;
– Personalização – a idéia é que o cliente se sinta sempre um “cliente é especial”;
– Confiança e credibilidade – você deve passar a idéia de que a satisfação dele é mais importante para você;
– Higiene – deverá ser percebida em detalhes;
– Exposição – o cliente deverá perceber que para se satisfazer não depende de ação sua, mas do que ele percebe no seu Serviço de Limpeza e Conservação, da forma como ela funciona;
– Crédito e facilidade de pagamento – sua empresa deverá se adaptar ao nível de renda do seu público, de acordo com seus cálculos de custos;
– Produtos adicionais – na prática você entrega satisfação, não somente produto ou produtos pelos quais seu cliente já paga;
– Flexibilidade e adaptabilidade – de algum jeito sua empresa de Serviço de Limpeza e Conservação deve satisfazer;
– Inovação – sua empresa de Serviço de Limpeza e Conservação deve procurar ser sempre atualizada (esta imagem tem de ser constante);
– Garantias – para o cliente ter certeza e confiar que não terá prejuízo.

Divulgação

A propaganda é um importante instrumento para tornar a empresa e seus serviços conhecidos pelos clientes potenciais. O objetivo da propaganda é construir uma imagem positiva frente aos clientes e tornar conhecidos os serviços oferecidos pela empresa.

O empreendedor deve ter em mente que as ações de divulgação devem ser feitas sob a ótica do cliente, muitas vezes divergente do que o empreendedor entende ser adequado.

Para um empreendimento de pequeno porte, pode ser usada a distribuição de folhetos e folders em hotéis, empresas de cerimonial de eventos, prédios, empresas, ou a depender só segmento em residências.

Muitos proprietários que executam serviços de conservação e limpeza destinam um percentual de 3% a 5% de seu faturamento para investimentos em publicidade. No entanto, esse percentual não é a regra.

Com criatividade é possível a utilização de formas simples e baratas de divulgação que atraiam os clientes. Entre as alternativas que demandam menos investimento pode-se citar:

– Utilização de mala direta com mensagens que lembram e divulgam o Serviço de Limpeza e Conservação;
– Distribuição de material informativo em pontos estratégicos como, por exemplo, Empresas, Condomínios, Prédios, centros comerciais;
– Outdoors bem localizados;
– Anúncio em páginas especializadas nos jornais;
– Site na Internet;
– Distribuição de cartões de visita e folhetos.

O bom atendimento aliado ao conforto, segurança e boa localização, é uma receita de sucesso para qualquer tipo de serviço. Clientes satisfeitos tendem a comentar com outras pessoas e não existe melhor propaganda que a tradicional “boca-a-boca”; barato e eficiente.

Informações Fiscais e Tributárias

O segmento de SERVIÇO DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 8121-4/00 como atividade de serviços de conservação e limpeza geral (não especializada) de prédios de qualquer tipo (residências, escritórios, fábricas, armazéns, hospitais, prédios públicos e outros prédios que desenvolvem atividades comerciais e serviços), poderá optar pelo SIMPLES Nacional – Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei.

Nesse regime, o empreendedor poderá recolher os seguintes tributos e contribuições, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional), que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional (http://www8.receita.f azenda.gov.br/SimplesNacional/):

• IRPJ (imposto de renda da pessoa jurídica);
• CSLL (contribuição social sobre o lucro);
• PIS (programa de integração social);
• COFINS (contribuição para o financiamento da seguridade social);
• ISSQN (imposto sobre serviços de qualquer natureza);
• INSS (contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal).

Conforme a Lei Complementar nº 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, variam de 4,5% a 16,85%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período.

Neste caso, este segmento conforme Anexo IV da Res. 94/2011, deverá fazer a CPP-Contribuição Previdenciária Patronal.

Se o Estado em que o empreendedor estiver exercendo a atividade conceder benefícios tributários para o ICMS (desde que a atividade seja tributada por esse imposto), a alíquota poderá ser reduzida conforme o caso. Na esfera Federal poderá ocorrer redução quando se tratar de PIS e/ou COFINS.

MEI (Microempreendedor Individual): para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 – Anexo XIII (http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/resolucao/2011/CGSN/Resol94.htm ), Neste caso, este segmento não pode se enquadrar no MEI, conforme Res. 94/2001.

Para este segmento, tanto ME ou EPP, a opção pelo SIMPLES Nacional sempre será muito vantajosa sob o aspecto tributário, bem como nas facilidades de abertura do estabelecimento e para cumprimento das obrigações acessórias.

Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares nºs 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN – Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011.

Eventos

A seguir, são indicados os principais eventos sobre o segmento:

Higicon
Congresso Internacional do Mercado de Limpeza
Expocenter Norte
São Paulo – SP
Fone: (11) 3079-2003
Fax: (11) 3079-2003
Website: http://www.higicon.com.br
E-mail: info@abralimp.org.br

Higiexpo
Feira de Produtos e Serviços para Higiene, Limpeza e Conservação Ambiental
Expocenter Norte
São Paulo – SP
Fone: (11) 3079-2003
Fax: (11) 3079-2003
Website: http://www.higiexpo.com.br
E-mail: joao@abralimp.org.br

ENEAC
Encontro Nacional das Empresas de Asseio e Conservação
São Paulo – SP
Fone: (11) 5081-6173
Website: http://www.eneac2014.com.br/index.php

Entidades em Geral

A seguir, são indicadas as principais entidades de auxílio ao empreendedor:

Abralimp
Associação Brasileira do Mercado Institucional de Limpeza
Av. Nove de Julho, 5593, cj. 22 e 23 – Jardim Paulista
Fone: (11) 3079-2003
Fax: (11) 3079-1948
Website: http://www.abralimp.org.br
E-mail: info@abralimp.org.br

Cebrasse
Central Brasileira do Setor de Serviços
Alameda Santos, 880, cj. 92
CEP: 01418-100
São Paulo – SP
Fone: (11) 3262-4284
Website: http://www.cebrasse.org.br

Febrac
Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação
SBN Quadra 1 bl. B Edifício CNC sala 702
CEP: 70040-000
Brasília – DF
Fone: (61) 3327-6390
Website: http://www.febrac.com.br
E-mail: febrac@febrac.com.br

Receita Federal
Brasília – DF
Website: http://www.receita.fazenda.gov.br

SNDC
Sistema Nacional de Defesa do Consumidor
Website: http://www.mj.gov.br/dpdc/sndc.htm

SEBRAE
Serviço Brasilieiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
Website: http:www.sebrae.com.br/

Normas Técnicas

Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2).

Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física).

Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País.
1. Normas específicas para um Serviço de Conservação e Limpeza

Não existem normas específicas para este negócio.
2. Normas aplicáveis na execução de um Serviço de Conservação e Limpeza

Nota: Normas Técnicas que podem ser utilizadas na área administrativa e de recepção.
ABNT NBR 15842:2010 – Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais.

Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente.
ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio.

Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio.
ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 – Instalações elétricas de baixa tensão.

Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens.
ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013 – Iluminação de ambientes de trabalho – Parte 1: Interior.

Esta Norma especifica os requisitos de iluminação para locais de trabalho internos e os requisitos para que as pessoas desempenhem tarefas visuais de maneira eficiente, com conforto e segurança durante todo o período de trabalho.
ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 – Sistemas de alarme – Parte 1: Requisitos gerais – Seção 1: Geral.

Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente.
ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida: 2005 – Acessibilidades a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos – Sistemas de alarme – Parte 1: Requisitos gerais – Seção 1: Geral.

Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade.
Nota do Técnico: Normas Técnicas de equipamentos de proteção individual que podem ser utilizados em um Serviço de Conservação e Limpeza
ABNT NBR 13698:2011 – Equipamento de proteção respiratória — Peça semifacial filtrante para partículas.

Esta Norma especifica os requisitos para as peças semifaciais filtrantes para as partículas utilizadas como equipamentos de proteção respiratória do tipo purificador de ar não motorizado.
ABNT NBR 13712:1996 – Luvas de proteção.

Esta Norma estabelece os princípios gerais para a padronização de luvas de proteção confeccionadas em couro ou tecido.
ABNT NBR 13393:1995 – Luva à base de borracha natural – Especificação.

Esta Norma fixa os requisitos exigíveis para o recebimento de luvas à base de borracha natural, com a finalidade de garantir um produto eficaz quanto ao seu desempenho.
ABNT NBR 14726:2001 – Tecido plano de poliéster e algodão para roupas profissionais e uniformes – Requisitos.

Esta Norma especifica os requisitos para os tecidos planos de poliéster e algodão, utilizados na confecção de roupas profissionais e uniformes.
ABNT NBR ISO 20345:2008 – Equipamento de proteção individual – Calçado de segurança.

Esta Norma especifica os requisitos básicos e adicionais (opcionais) para os calçados de segurança.
ABNT NBR ISO 20346:2008 – Equipamento de proteção individual – Calçado de proteção.

Esta Norma especifica os requisitos básicos e adicionais (opcionais) para os calçados de proteção.
ABNT NBR ISO 20347:2008 – Equipamento de proteção individual – Calçado ocupacional.

Esta Norma especifica os requisitos básicos e adicionais (opcionais) para calçado ocupacional.

Glossário

Ações corretivas: Conjunto de ações que permite corrigir atos cometidos indevidamente.

Ações preventivas: conjunto de ações que permite evitar acontecimentos não desejáveis.

ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Autoridade Sanitária: é autoridade que tem diretamente a seu cargo, em sua demarcação territorial, a aplicação das medidas sanitárias apropriadas, de acordo com as Leis e Regulamentos vigentes no território nacional, em tratados e em outros atos internacionais dos quais o Brasil é signatário

Atestado de capacidade técnica: Consiste na apresentação de documento que comprove e ateste o fornecimento de materiais ou os serviços prestados pela empresa interessada, emitido por pessoa jurídica, em papel timbrado, assinado por seu representante legal, discriminando o teor da contratação e os dados da empresa contratada.

Depósito de equipamentos e materiais: Ambiente destinado à guarda de peças de mobiliário, aparelhos, equipamentos e acessórios de uso eventual.

Descontaminação: tem por objetivo a função dos microrganismos sem eliminação completa devido à presença de matéria orgânica, realizado em instrumentais e superfícies.

Limpeza: É a remoção de qualquer corpo indesejável de uma superfície, sem alteração das características originais do objeto que está sendo tratado. É essencial que este processo não seja nocivo ao meio ambiente e esteja em consonância com a Resolução nº 54, de 28/11/2005, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH.

Limpeza: É a remoção de qualquer corpo indesejável de uma superfície, sem alteração das características originais do objeto que está sendo tratado. É essencial que este processo não seja nocivo ao meio ambiente e esteja em consonância com a Resolução nº 54, de 28/11/2005, do Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH.

Resíduos: são materiais e substâncias resultantes do ciclo de produção e consumo, aos quais se deve proceder à coleta, ao tratamento e à disposição final, com a finalidade de reduzir os riscos sanitários e ambientais que implicam a sua permanência no ambiente;

Saneantes Domissanitários: são substâncias ou preparações destinadas a higienização, desinfecção ou desinfestação domiciliar, em ambientes coletivos e ou públicos, em lugares de uso comum e no tratamento da água.

Dicas de Negócio

O negócio de conservação e limpeza exige um alto nível de profissionalismo dos prestadores de serviço. As empresas atuantes no setor precisam dispor de profissionais capacitados e de equipamentos industriais modernos. O resultado do serviço prestado é facilmente visualizado pelos clientes, principalmente se não apresentar a qualidade desejada.

Um dos principais entraves para o desenvolvimento do processo de terceirização da economia brasileira é a insegurança jurídica. A grande informalidade entre micro e pequenas empresas que prestam serviços terceirizados pode gerar passivos para a empresa contratante, uma vez que elas são consideradas pela Justiça como co-responsáveis por pendências trabalhistas e previdenciárias das contratadas. Portanto, ao oferecer em contrato garantias de cumprimento das normas legais, a prestadora de serviço já apresenta um diferencial importante neste mercado.

O esforço perene de corte de custos fixos com atividades de apoio traz grandes desafios de preços para as empresas atuantes no setor. Ou seja, além do cumprimento das exigências legais e tributárias, as prestadoras de serviços de conservação e limpeza devem conciliar a qualidade no serviço prestado e o investimento em inovação com as exigências de baixo custo impostas pela concorrência mercadológica.

Compras conjuntas, leilão reverso, supply management e outras técnicas do mercado business-to-business devem ser estudadas e aplicadas no processo de divulgação e venda de serviços. O empreendedor deve dominar o maior número possível de conceitos de gestão para ter condições de oferecer a solução mais adequada para cada cliente.

Um erro comum a ser evitado é a falta de funcionários para cobrir uma eventualidade, caso o cliente necessite de um aumento do contingente de prestadores. A solução passa pela formação de um cadastro reserva de profissionais e pela parceria com empresas concorrentes e complementares para o atendimento de demandas emergenciais.

A formação do preço é um item chave para o sucesso nesse negócio. Muitas empresas não contabilizam corretamente os impostos e outros encargos e acabam cobrando um preço incapaz de cobrir os custos do serviço, gerando prejuízos ou reduzindo a qualidade do serviço prestado.

O empresário precisa também estar preparado para o estigma do segmento: um empregador de massas de trabalhadores com baixa qualificação, alta rotatividade e repleto de denúncias de favorecimento e superfaturamento entre os fornecedores do setor público. Cabe aos novos empreendedores mudarem esta imagem e promoverem a profissionalização do segmento.

Características

É importante que o empreendedor tenha aptidão para o negócio e vontade de aprender buscando informações em cursos, livros e revistas especializadas ou junto a pessoas que atuam na área.

Outras características importantes, relacionadas ao risco do negócio, podem ajudar no sucesso do empreendimento:
– Busca constante de informações e oportunidades.
– Iniciativa e persistência.
– Comprometimento.
– Qualidade e eficiência.
– Capacidade de estabelecer metas e assumir riscos.
– Planejamento e monitoramento sistemáticos.
– Independência e autoconfiança.
– Senso de oportunidade.
– Conhecimento do ramo.
– Liderança.
– Espírito cooperativo.

Além dessas características básicas é muito importante que os profissionais que atuam diretamente com o público, como é o caso, saibam lidar bem com os clientes sendo simpáticos e agradáveis para garantir a sua fidelidade e ganhar sua confiança.

Pesquisando e observando seus concorrentes, conhecendo bem o gosto de seus clientes, o empreendedor conseguirá desenvolver diferenciações em sua oferta de serviços.

É necessário estudar bem o assunto e a estratégia de mercado para poder desenvolver sensibilidade e flexibilidade para rápida adaptação às necessidades e encantamento de clientes.

Bibliografia

Atestado de Capacidade Técnica. Disponível em: http://www.dga.unicamp.br/forn/cap_tec.html . Acesso em: 28 ago. 2014.

Conheça 8 características de um empreendedor de sucesso. Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/conheca-8-caracteristicas-de -um-empreendedor-de-sucesso/80524/ . Acesso em: 15 ago. 2014.

Como montar uma empresa de limpeza e conservação. Disponível em: http://franquiaempresa.com/2013/01/como-montar-uma-empresa-de-limpeza-e-conserva cao.html . Acesso em: 15 ago. 2014.

FERRAZ, Fernando B. Terceirização e Demais Formas de Flexibilização do Trabalho. São Paulo: LTR Editora, 2005.

Franquias de limpeza e conservação. Disponível em: http://www.suafranquia.com/franquias/limpeza-e-conservacao/ . Acesso em: 15 ago. 2014.

KARDEC, Allan; CARVALHO, Cláudio. Gestão Estratégica e Terceirização. São Paulo: Qualitymark, 2002.

O fim da invisibilidade do setor de limpeza e conservação. Disponível em: http://www.febrac.com.br . Acesso em: 28 abr. 2010

Plano de Negócio Limpeza e Conservação . Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfD4UAB/plano-negocio-empresa-limpeza-conserv acao . Acesso em: 15 ago. 2014.

POLONIO, Wilson A. Terceirização: Aspectos Legais, Trabalhistas e Tributários. São Paulo: Atlas, 2000.

QUEIROZ, Carlos A. Terceirização – Contratos. São Paulo: STR Publicações, 2000.

RUSSO, Giuseppe M. Guia Prático de Terceirização. São Paulo: Campus, 2007.

SARATT, Newton; SILVEIRA, Adriano D.; DAIBERT, Arlindo; et al. Quarteirização: Redefinindo a Terceirização. Porto Alegre: Badejo, 2000.

Quero abrir um negócio . Disponível em: http://gestaoportal.sebrae.com.br/uf/rio-de-janeiro/quero-abrir-um-negocio/ideia s-de-negocios/Servicos%20de%20Limpeza%20e%20Conservacao.pdf . Acesso em: 15 ago. 2014.

Softwares que ajudam pequenos empresários a melhorar a gestão
Disponível em: http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2013/10/08/veja-sof twares-que-ajudam-pequeno-empresario-a-melhorar-gestao.htm. Acesso em: 15 ago. 2014.

Fonte: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ideias/como-montar-um-servico-de-conservacao-e-limpeza,b4687a51b9105410VgnVCM1000003b74010aRCRD#naveCapituloTopo

Calegari Contabilidade

Contabilidade em Saltinho